Direitos em Notícia

. “É preciso investir mais na SRHR para que meninas e mulheres saiam da pobreza”

Kwabena Osei-Danquash

Parte II de III

Em nenhum país a igualdade de género é plenamente realizada. Uma em cada três mulheres está em risco de ser vítima de violência baseada no género. As mulheres da África Subsariana continuam a morrer de causas relacionadas com a maternidade. Os impactos das alterações climáticas serão piores para os pobres e marginalizados, especialmente mulheres e meninas. Situações que Kwabena Osei-Danquash, director da Divisão de Governança e Assuntos Multilaterais do UNFPA tenta combater, mas reconhece que levarão o seu tempo.

. “Há uma ligação clara entre saúde sexual e reprodutiva, direitos humanos e desenvolvimento sustentável”

Kwabena Osei-Danquash

Parte I de III

Numa entrevista exclusiva à P&D Factor, o diretor da Divisão de Governança e Assuntos Multilaterais do Fundo das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Kwabena Osei-Danquash, fala dos desafios e das dificuldades que se impõem ao trabalho do UNFPA, que não se confinam à diminuição drástica dos financiamentos e da Ajuda Pública ao Desenvolvimento.

 

. “Agora é mais difícil os países fugirem aos Objetivos 3 e 5 dos ODS.”

Maria Antónia Almeida Santos

Desde o dia 15 de Setembro que foi adotado o há muito esperado Plano de Ação para a Saúde Sexual e Reprodutiva pelo Comité Regional da Organização Mundial da Saúde para a Europa (RC66). Inovador e progressista, este é o plano que faltava na Saúde Sexual e Reprodutiva. Mas, com esta importante resolução, o que é que vai mudar verdadeiramente para ninguém seja deixado para trás? Perguntamos à deputada à AR pelo PS, Maria Antónia de Almeida Santos, que nesta legislatura é vice-presidente da Comissão Parlamentar da Saúde.

. O plano que faltava na saúde sexual e reprodutiva

Cuidados na Gravidez

O dia 14 de Setembro de 2016 foi um marco na História dos direitos e da saúde sexual e reprodutiva. Esse foi o dia em que o Comité Regional da Organização Mundial da Saúde para a Europa (RC66) adotou o Plano de Ação para a Saúde Sexual e Reprodutiva. Inovadora e progressista, é uma resolução crucial para alcançar até 2030 a Agenda para o Desenvolvimento Sustentável na Europa. Para que ninguém fique para trás.

Texto: Carla Amaro

. “Capacitar e empoderar as mulheres guineenses é a nossa prioridade.”

Eduardo Jaló

Quer fazer da Associação dos Filhos e Amigos de Farim (Guiné Bissau) um exemplo de associativismo imigrante. E apesar de as dificuldades serem muitas, Eduardo Jaló é incansável na defesa dos direitos dos e das guineenses e seus descendentes em Portugal. Em especial das mulheres, lutando pela paridade dentro da própria associação a que preside e pela igualdade de género no seio da comunidade. Como? Através de apelos contra a mutilação genital feminina, pelo abandono dos casamentos infantis e forçados e pelo fim da violência doméstica.

. “O direito à Nacionalidade é um Direito Humano.”

Inês Fernandes

Pelo menos 600 mil as crianças na Europa não são reconhecidas como nacionais de nenhum país. Sem nacionalidade, não têm acesso a direitos básicos como o direito à Educação e à Saúde. Em Portugal, por não existir ainda um Procedimento de Determinação de Apatridia, é difícil saber quantos apátridas existem. Acresce que muitas pessoas acabam “perdidas” em categorias como refugiados, residentes ilegais ou indocumentados. Acabar com este ‘limbo’ é o desafio que Inês Fernandes, da direção da P&D Factor, vai tentar superar enquanto embaixadora da European Network on Statelessness a trabalhar em Portugal.

Está em... Home arrow Direitos em Notícia Direitos em Notícia