Entrevista

. “A intervenção preventiva passa pela Educação para a Saúde”

João Goulão

Reforçar a prevenção e o tratamento do abuso de substâncias, incluindo o abuso de drogas e o uso nocivo do álcool é umas das metas do Objetivo 3 dos ODS. Mas como é que Portugal a vai alcançar, depois de um paradigma proibicionista de que foi pioneiro, ao descriminalizar o uso de todas as substâncias ilícitas? João Goulão, diretor geral do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD), diz que é altura de considerar a mudança para o paradigma da regulação, aplicada a todas as drogas. Com regras, como no tabaco e no álcool.

. "Se não fossem as ONG, os Direitos Humanos não estariam na agenda".

Catarina Marcelino

Para a atual responsável pela pasta da Cidadania e Igualdade, 24 horas não chegam para fazer tudo o que gostaria num dia. Mas, Catarina Marcelino acredita que quatro anos chegarão para fazer a diferença. E a diferença está em conseguir impor quotas de género nos conselhos de administração das empresas, reforçar as medidas de apoio e proteção às vítimas de violência doméstica e implementar um verdadeiro projeto de cidadania e educação nas escolas.

. “Na política, as mulheres encontram muitas paredes de vidro.”

Helena Pinto

Discriminação, desigualdade e violência de género têm um denominador comum: não se tomar a igualdade como uma prioridade. Para Helena Pinto, vereadora da Câmara Municipal de Torres Novas e ex-presidente da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta, é preciso construir novos patamares de resposta. Em relação à violência doméstica, que considera ser “o maior problema de segurança” em Portugal, defende uma revisão do papel da Justiça e dos Tribunais, para combater o sentimento de impunidade de muitos agressores.

. “Uma mulher escolarizada pode fazer a diferença para acabar com a MGF”

Fatumata Djau Baldé

Aos nove anos foi prometida em casamento e submetida a mutilação genital. Hoje, a guineense Fatumata Djau Baldé, é uma incansável defensora dos direitos humanos. À frente do Comité Nacional para o Abandono das Práticas Nefastas à Saúde da Mulher e da Criança, esta mulher de 51 anos luta em várias frentes: pelo fim da Mutilação Genital Feminina, dos casamentos infantis e forçados e da violência doméstica, e pela escolarização das meninas e empoderamento das mulheres.

. “A mulher judia tem formação superior e é profissionalmente ativa”

Marina Pignatelli

Hoje, Dia Internacional da Comemoração em Memória das Vítimas do Holocausto, entrevistamos a investigadora e membro da Rede de Judiarias de Portugal, Marina Pignatelli, que nos faz um ‘apanhado’ histórico da comunidade judaica em Portugal. Leia e surpreenda-se com o que ainda não sabe sobre as mulheres e os homens judeus com quem se cruza todos os dias, em todo o lado.

. “É necessário repensar todo o sistema”

Edgar Silva

O candidato apoiado pelo PCP às Eleições Presidenciais 2016 quer vestir a pele de um PR mais próximo da população e defensor dos seus direitos mais básicos. Edgar Silva promete que vai lutar pelo direito ao trabalho, à saúde, à educação, à habitação, a uma alimentação saudável, a um salário digno e ao apoio social do Estado na doença, velhice e desemprego de todos. Não só em Portugal, como no contexto da Lusofonia.

Está em... Home arrow Entrevistas Entrevistas